QUEM VENCE: Evento ou Pensamento? - by Rhandy Di Stéfano


Naomi Osaka ficou conhecida mundialmente em 2018 num jogo controverso, onde ganhou da Serena Williams para vencer o US Open. Foi a primeira vez que uma tenista nascida no Japão ganhou o torneio.


Neste jogo, a Serena brigou com o juiz algumas vezes, e no final a controvérsia foi quase maior do que a vitória de Naomi. A torcida era esmagadora a favor de Serena, e Naomi chegou a pedir desculpas por ter vencido. Suas lágrimas ao receber o troféu não eram de alívio, mas de tristeza com a torcida.


No ano passado, chegou a não participar de torneios devido à depressão.


No mês passado, em Indian Wells, Naomi desabou quando um torcedor gritou que ela jogava mal, e acabou perdendo de 6-0.


Decidiu fazer terapia e finalmente está retomando com força nas quadras. Começou perdendo o jogo da semifinal e conseguiu virar. Jogou a final do Miami Open neste último fim de semana. Perdeu a final, mas está feliz.


Para ela, o grande jogo foi o da semifinal, onde declarou: “ Eu batalhei com meus pensamentos, me lembrando de jogar um ponto por vez e ir ajustando se preciso, mas tentando não deixar os pensamentos dominarem. Sinto que se eu fosse negativa por uma fração de segundo, eu teria perdido o jogo”


E por que então está feliz mesmo tendo perdido a final? Porque voltou a se divertir, porque perdeu para a Swiatek, que jogou melhor. Não perdeu por causa dos pensamentos negativos que a tem dominado.


E não há poder maior do que dominar a nossa conversa interna. Ela perdeu a final, mas deve estar se sentindo mais poderosa do que nunca.


Qual a grande lição? Não é o evento. Nunca é o evento. O que acontece é um estímulo, mas é a nossa conversa interna que define a nossa