Por que temos tanto medo do novo?


Quando perguntamos às pessoas o que elas mais buscam na vida, a maioria das respostas é sobre ter estabilidade, segurança. Isso é o que a maioria de nós deseja. Mesmo sem saber ainda como fazer, ou qual a melhor maneira de chegar onde queremos, ficar parado não é uma possibilidade se queremos chegar em algum lugar. Parece óbvio isso?


Quantas vezes deixamos as coisas pra depois? Quantas vezes queremos apenas ficar quietos especialmente quando fica tudo muito estressante, e até pensamos em sumir? Quantas vezes o mundo lá fora, em forma de situações desconfortáveis, nos convida à nos superarmos? Quantas vezes é a nossa própria inquietude interna que nos incomoda, sinalizando que existem coisas que precisam ser realizadas?


Independente do estímulo ser externo ou ser interno, todos eles são faíscas, são sinais, indicadores de que algo que precisa ser feito, não está sendo feito por nós mesmos.


Mas o quê exatamente? Pra onde? De que forma? Por onde começar?

Essa nem Google responde, por uma questão bem simples: é um chamado individual e subjetivo e as respostas estão dentro de cada um de nós, não existe uma única “resposta certa”, e é possível que a gente encontre ainda mais perguntas! Mesmo que cada um de nós use o mesmo nome do goal, o significado dessa palavra e a forma como cada um a entende, chegar até lá é única.


É aí que a gente pode se perder, quando tenta se comparar com os outros; mas é também aí onde a gente pode se encontrar, escutando a si próprio e criando a própria história. Única.