O Ego na Liderança


O professor de música Clement acaba de arrumar emprego num internato na França pós-guerra e encontra jovens órfãos, rebeldes e até delinquentes, que o testam constantemente. O prof. Clement, baixinho, meio gordinho e careca, assim que chega para sua primeira aula, vê na lousa uma caricatura sua feita pelos alunos, exagerando seu nariz e sua cabeça careca.


Neste internato, onde o diretor Rachin governava com mão de ferro, adotando o lema “para cada ação uma reação”, que era a sua maneira de justificar as punições constantes e violentas que impunha aos jovens, já se esperava que esta caricatura gerasse mais uma reação disciplinar. Surpreendentemente, Clement olha a sua caricatura e, ao invés de levar como ofensa pessoal, faz uma crítica construtiva ao estilo do desenho e sugere possíveis melhorias.


Esta forma mais humana de lidar com os alunos vai aos poucos conquistando esses jovens rebeldes assustados, sempre prontos a revidar, a lutar contra o tal do “sistema”, acostumados à violência com a qual eram tratados. Infelizmente o diretor Rachin não percebia que o seu lema “para cada ação uma reação” tinha se tornado mais do que isso, pois cada reação gerava uma contrarreação, mantendo um ciclo de violência. Ele via os jovens apenas como párias que não tinham mais conserto e sua única função era mantê-los na linha.


O prof. Clement, por outro lado, enxergava em cada jovem um talento, uma possibilidade artística, uma expressão individual. O seu foco não era punir, mas gerar crescimento, ajudar cada um a se descobrir. Para isso, teve a paciência de lidar com cada teste, cada desafio, cada ofensa, sem ofender de volta. Mostrou na prática a idéia da planta que se dobra com a rajada do vento, mas não se quebra. Acabou conquistando o respeito e admiração de todos esses meninos rebeldes que, contra todas as expectativas, montaram um coral de canto estilo gregoriano.


Estilos de liderança

Essa é a premissa do filme Les Choristes e mostra na prática dois estilos distintos de liderança. Um centralizador e autoritário, e o outro mais participativo, com foco em desenvolvimento e crescimento.

<