Somos seres de hábitos

May 17, 2017

 

Fomos almoçar em um restaurante agradável e que possui, além de excelente comida, um ambiente externo calmo com uma enorme fonte, que nos acalenta com o som da água em movimento lento e ritmado. Local excelente para comer com serenidade, do jeitinho que tanto gosto…

 

Pude observar inúmeros pássaros, que pareciam clientes usuais do local, pois mostravam total familiaridade com o formato e ápices da fonte e passei a apreciar a dança que eles faziam. Notei, rapidamente, que havia um ritual repetitivo que eles praticavam: voavam de um lado do jardim até o alto da fonte, davam uma ‘barrigada’ na água e iam para o outro lado do pátio em busca de migalhas. Entre uma migalha e outra, havia sempre o mergulho de barriga…

 

Pensei: que bonita essa dança em que os passos se repetem! Pensei mais: será que se não houver o mergulho de barriga, não haverá migalha do outro lado?

 

Vamos olhar mais de perto nossos hábitos?

E lá vou eu, fazendo analogia com nós seres humanos, pertencentes a raça humana, o quanto repetimos ações, simplesmente por hábito…sem perceber que determinadas ações apenas são hábitos, e que não farão nenhuma diferença para os resultados pretendidos para cada um de nossos momentos…

Ficar com o celular na mão, por exemplo, salvo raras exceções, o quanto esse hábito, de fato, contribui? E olhar para o celular, segundo a segundo, iluminando a tela para checar se chegou algo, mesmo que seja algum spam, o quanto esse hábito, de fato, contribui?

 

Não tirar o olho do celular (e o dedo rolando a página), mesmo quando está em ambientes sociais, supostamente em que deveria haver interação social, o quanto esse hábito, de fato, contribui? E ter tantos grupos e se obrigar a responder a cada intervenção, a ponto de apenas surfar nas ondas rasas, sem de fato mergulhar em nada, assim, sem perceber o quanto esse hábito, de fato, contribui?

 

Para não dizer que é só o celular o responsável pelos nossos hábitos…

O quanto as suas respostas, em qualquer situação, são mecânicas e habituais?

O quanto as suas reações às noticias, fatos, eventos, são as esperadas por aqueles que já te conhecem, e inteiramente habituais?

 

O quanto o seu humor diante das circunstâncias é o previsível e habitual?

O quanto o drama que você faz perante a vida já é o esperado e habitual? O quanto as suas interpretações e repetições narrativas, são as habituais?Você tem o hábito de ler…ou dá preguiça e larga a leitura que passa de três linhas? O quanto os seus hábitos te dominam?

 

O quanto esses hábitos o fortalecem ou o enfraquecem?

Quando é que você vai se dar conta de que tem o direito (e o dever) de fazer melhores escolhas? Aquelas que o levem adiante e que demonstrem evolução e progresso, como ser humano, como ser social.

 

Quando é que você vai se dar conta de que você pode (e deve) ter ações mais envolventes e conscientes, visando alcançar a felicidade, pois tem a habilidade de viver uma vida com mais propósito, com mais significado.

 

Quando é que você vai se dar conta de que usar a sua consciência e a sua habilidade de viver no momento presente o liberta e o impulsiona a ter uma vida de ações construtivas, com crescimento, harmonia e desenvolvimento contínuo.

 

Ou será que deseja manter a ‘barrigada’ entre uma migalha e outra, para sair de nenhum lugar e chegar a lugar algum?

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Chegou a hora!

January 17, 2020

1/10
Please reload

Posts Recentes

January 17, 2020

June 17, 2019

Please reload

Arquivo